23/03

O que é o período baby blues?

Ma-Mãe, Sou Ma-Mãe - Por Carina Hatano Czerveny

Olá, queridas do doce arteRia. Tudo bem com vocês?

O post de hoje é dedicado para as mamães, amigas das mamães e familiares que possam ajudá-las nessa fase que não é nada fácil: o período baby blues ou a tristeza pós-parto.

A maternidade traz consigo uma infinidade de momentos maravilhosos, isso é indiscutível. Penso que se a mamãe é de primeira viagem, os pensamentos e a imaginação não permitem ir a lugares obscuros, eu pelo menos, quando estava grávida, nunca imaginei ter momentos que não fossem agradáveis no meu pós-parto. Foi aí que me enganei, e feio.

Mas, afinal, o que é o período baby blues?

É o período que ocorre entre o terceiro e quinto dia após o parto, no qual a mulher vivencia sentimentos contraditórios, confusos e pode atingir até 80% das mulheres.

Como assim? A gente idealizou e desejou a gestação e de repente, nos pegamos tristes? Casadas ou melhor, exaustas? Pensando que gostaríamos de ter a nossa vida de volta, a nossa rotina. Mas como pode isso? Que péssima mãe eu sou? Como posso pensar e sentir uma coisa dessas?

Isso é o baby blues, um período de sentimentos intensos, ocasionados pela mudança dos níveis hormonais, pela rotina nova, pelas responsabilidades, pelo estresse pós-parto. E, da mesma forma como surgiu “do nada”, vai embora “do nada” também, com o prazo de 15 dias a 1 mês. Caso esses sentimentos se estendam para mais de 1 mês, é imprescindível buscar auxílio profissional, pois pode ter evoluído para uma depressão pós-parto.

Sintomas

  • Tristeza;
  • Choro frequente;
  • Insegurança;
  • Irritabilidade;
  • Ansiedade;
  • Autoestima baixa;
  • Insônia;
  • Mudança de humor;
  • Preocupação excessiva (com o bebê);
  • Alteração no apetite.

O que fazer?

1) Manter a calma é essencial. Saiba que você não é uma péssima mãe por estar sentindo todos esses sentimentos conflituosos e ambíguos. Pelo contrário, é super comum isso acontecer.

2) Conversar alivia o coração, principalmente se tiver alguém que esteja passando ou já passou por esse momento de angústia. Procure também a ajuda de um profissional capacitado para ajudar, um psicólogo é uma alternativa.

3) Não se cobre tanto, ninguém é perfeito. Errar faz parte do aprendizado e saiba que você está fazendo o melhor.

4) Peça ajuda sempre que precisar, não tenha vergonha. Se uma amiga veio te visitar e perguntou se quer ajuda em alguma coisa, peça mesmo. Ela está ali por você.

5) Não tenha vergonha dos sentimentos que está dentro de você.

Aos maridos, amigos e família

Esse é um momento muito delicado para todos, sem dúvida, mas neste período, priorize o bem estar, além do bebê, da esposa (amiga, filha, nora) da mulher que acabou de passar pela experiência mais incrível e que está transbordando de sentimentos que não consegue compreender.

Por isso, mime muito ela. Dê carinho, atenção e ofereça a sua escuta, o suporte. Ajude nas tarefas domésticas, fique com o bebê para que ela possa tomar um banho tranquila ou dormir por horas seguidas. Seu apoio é fundamental nesse momento.

De mãe para mãe

Minha querida mamãe do doce arteRia, não se sinta sozinha. Essa mistura de sentimentos é completamente normal e se a sua amiga não passou por isso, não se desespere, tem muita gente que passa, eu mesma passei e estou aqui viva da Silva pra contar que, sobrevivi!

Caso não passe, procure a ajuda de um profissional, com certeza a ajuda virá de algum modo.

Se precisar conversar, ler uma palavra de carinho, deixe a sua mensagem, me mande um e-mail, estarei aqui para poder ajudar de alguma forma.

Beijinhos e até a próxima!

Deixe o seu Comentário

Para usar uma imagem em seu avatar, cadastre-se em gravatar.com.